“Essa é uma lei realista”, disse o governador José Serra, durante a cerimônia de assinatura da Lei Específica da Billings, esta semana, em Rio Grande da Serra. No evento, o governador enfatizou as cobranças para acelerar os prazos da Sabesp na ampliação da coleta e do tratamento de esgotos, principalmente nas cidades da região que impactam a Billings (Zona Sul de São Paulo, São Bernardo, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Diadema e Santo André).

Serra entregou, na oportunidade, uma importante obra de esgotamento sanitário: o coletor Billings-Tamanduateí – que faz parte de um sistema de esgotamento sanitário composto de duas estações elevatórias de esgotos (estações de bombeamento) e 22 quilômetros de coletores-tronco e interceptores. Com a lei, será possível acelerar a expansão da infraestrutura pública, como abastecimento de água, coleta e tratamento de esgoto e coleta de lixo.  Na obra foram investidos mais de R$ 62 milhões para receber o volume de esgotos que será acrescentado a partir dos programas de ampliação da coleta nas cidades de Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, assim como encaminhar para tratamento todo o esgoto proveniente de Mauá. Juntas, as três cidades têm 575 mil habitantes. “A infra-estrutura de tratamento deve ser compartilhada, que é o que estamos inaugurando aqui”, disse a secretária de Saneamento e Energia, Dilma Pena.

 Ao todo, de Rio Grande da Serra a São Paulo são 40 quilômetros de tubulações que contribuirão diretamente para a despoluição das bacias hidrográficas da represa Billings – abastece diretamente 1,3 milhão de pessoas. “É realmente um marco na questão ambiental e na resolução da poluição da área da Billings. É uma forma de recuperar todo o ecossistema dessa represa”, destacou Dilma. Outras obras estão em andamento nas duas cidades e serão interligadas ao sistema concluído. São investimentos de R$ 23,5 milhões, que fazem parte do Projeto Tietê, com conclusão prevista para o primeiro semestre de 2010. Em Ribeirão Pires são 70 quilômetros de novas redes de esgoto em diversos bairros, além da instalação de seis estações elevatórias. Ao todo, será possível realizar 3,5 mil ligações nos bairros de Ouro Fino, Quarta Divisão, Vila São José, Parque do Governador, Jardim Serrano, Jardim Guanabara, Vila Gomes e Vila Mara, beneficiando mais de 17 mil pessoas.

A partir da conclusão das obras, 80% de todo o esgoto produzido na cidade serão tratados nas estações de Suzano e ETE ABC. Com a complementação prevista no programa de ampliação, 87% do esgoto receberão tratamento em 2010, índices próximos e, em alguns casos, até superiores a de países desenvolvidos.  Em Rio Grande da Serra serão implantados 24 quilômetros de novas redes coletoras e cinco estações de bombeamento, obras que possibilitarão 1,6 mil novas ligações domiciliares nos bairros Centro, Vila Cristiane, Conde Siciliano, Jd. Tsuzuki, Vila Niva, Jd. Esperança e Pedreira. Com o término das obras, o índice de coleta do esgoto do município passará de 31% para cerca de 50%, sendo que 100% deste total serão encaminhados para tratamento na ETE ABC até 2010.
 
O Trata Brasil, que acompanhou a cerimônia, vai cobrar o cumprimento da promessa. Está De Olho na Lei da Billings!

Anúncios