Antes mesmo que o Conjunto Habitacional Marcel Luis seja entregue em sua totalidade – 1476 casas em construção e 1 ano de atraso para a conclusão das obras – as primeiras famílias que deixaram a antiga Vila Dique para ocupar as novas moradias, já se deparam com diferenças: infraestrutura para abastecimento de água, de esgoto e de drenagem pluvial.  A infraestrutura do Conjunto Habitacional está 90% completa, restando equipar a Estação de Tratamento de Esgotos (ETE). Entretanto, apenas 3,5% das casas foram concluídas e as obras que envolvem escola, posto de saúde e creche ainda não começaram. Também estão previstas obras de 103 unidades com fins comerciais e religiosos, praças e galpões para serviço de reciclagem – atividade da comunidade.

Os motivos dos atrasos, acompanhados de perto pelos moradores da comunidade, envolvem desde licitação das obras até a aprovações de medições e liberação de contrapartida de recursos que são de responsabilidade do governo municipal – Prefeitura Municipal de Porto Alegre. O início de transferência das primeiras 48 famílias começou no final do mês de Outubro com a inauguração do primeiro lote de casas e entrega das chaves aos moradores. A expectativa é que lotes de 60 casas sejam entregues mês a mês até a entrega total.

A segunda fase do levantamento do projeto Trata Brasil na Comunidade, que permitirá comparar a qualidade de vida da população de Vila Dique e medir os impactos sociais antes e depois do acesso dos moradores aos serviços de saneamento básico, com coleta e tratamento de esgoto, está prevista para início em 2011, com a total transferência das famílias ao Conjunto Habitacional.  Até lá, o Instituto Trata Brasil continuará acompanhando o avanço das obras e a transferência das famílias, desenvolvendo ações de conscientização e de mobilização da comunidade sobre os direitos e os deveres relacionados ao acesso aos serviços de saneamento básico. Vila Dique

 

Anúncios