Bairro da periferia de Porto Alegre não tem infraestrutura básica de esgotamento sanitário, o que desfavorece o desenvolvimento da população

Imagine um lugar onde 85% das pessoas ganham no máximo dois salários mínimos, onde 80% das casas são de madeira, onde dois terços dos que trabalham estão na informalidade e mais de 80% não chegou sequer ao Ensino Médio. Este lugar não é nada imaginário, mas sim a Vila Dique, um retrato real da periferia de Porto Alegre e um espelho de muitas outras adjacências das metrópoles brasileiras que, invariavelmente, não têm tratamento ou sequer coleta de esgoto como infraestrutura básica para o seu desenvolvimento. 

A Vila Dique foi o cenário da ação “Trata Brasil na Comunidade”, promovida pelo Instituto Trata Brasil e apoiada pela Pastoral da Criança e da Associação Brasileira de Engenharia Ambiental e Sanitária (ABES). 

O objetivo da ação é estimular a sociedade civil, muitas vezes alheia à questão da coleta e do tratamento de esgoto, promovendo iniciativas no campo da informação, da conscientização, da sensibilização e do desenvolvimento de ferramentas e práticas com o propósito de solucionar questões de interesse coletivo.

Clique aqui e conheça a Pesquisa com os dados completos sobre a Vila Dique, que acompanhou os impactos da falta de saneamento nos indicadores saúde, educação, trabalho e renda. Divulgue estes dados e fomente a discussão sobre saneamento básico em sua cidade.

Quer saber mais? Visite o nosso site: www.tratabrasil.org.br.

Anúncios