Faltando apenas cinco anos para que sejam cumpridos os compromissos do Objetivo do Milênio, aprovados pela Organização das Nações Unidas (ONU) para melhorar a vida dos mais pobres do planeta, um novo relatório divulgado na última segunda-feira, 15.03, pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), aponta que o mundo fracassará em atingir o objetivo de cortar pela metade o número de pessoas sem acesso a esgoto coletado e tratado. Quase 39% da população mundial, ou seja, 2,6 bilhões de pessoas continuam sem acesso a esses serviços. 

Já no âmbito da água, os avanços são encorajadores: 87% da população mundial dispõem de fontes de abastecimento de água potável. De acordo com esse resultado, o mundo alcançará o objetivo do Desenvolvimento do Milênio de cortar pela metade o número de pessoas sem acesso à água potável até 2015. 

O estudo, que monitorou 209 países, aponta ainda que as crianças e mulheres são as mais atingidas pelas dificuldades no acesso à água e à falta de saneamento básico: o problema ainda mata anualmente 1,5 milhão de crianças de até 5 anos. 

No Brasil, segundo pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) para o Instituto Trata Brasil, apenas 50,9% da população tem acesso a rede de esgoto. Ainda segundo o estudo, para alcançar a meta do milênio do acesso a saneamento, o Brasil precisaria ter expandido a rede em 2,77% ao ano no período 1990-2015.

Anúncios