Ação promovida pelo Trata Brasil a convite da Pastoral da Criança realizada na aldeia Pico do Jaraguá, Zona Oeste de São Paulo, verificou diversos problemas causados pela falta de saneamento básico.Logo na entrada, já foi possível perceber diversas moradias precárias construídas com madeiras, os banheiros e tanques são comunitários e se encontram em estado de degradação: a maioria está entupido e sem a parte elétrica. Outro fator simples, mas que colabora para a multiplicação do problema é a falta de sifão nos tanques, a água acaba escorrendo pelo caminho sem chegar à rede coletora de esgoto.Após a visita, realizada no mês de junho por nossa equipe junto com a coordenadora do setor Lapa da Pastoral da Criança, Dalila Costa, o ITB entrou em contato com a Sabesp e a Funasa (Fundação Nacional de Saúde), para apresentar a realidade em que vivem os índios da aldeia, mas só tivemos retorno da Sabesp.

O Trata Brasil retornou ao local, no começo de setembro, acompanhado do gerente de Divisão da Regional Pirituba da Sabesp, Ronaldo Carlos Leite.

Gerente de Divisão da Regional Pirituba da Sabesp, Ronaldo Carlos Leite junto com a equipe do ITB e Pastoral da Criança

Na entrada da aldeia, o representante da Sabesp informou que poderia ajudar apenas com os reparos de vazamentos que ocorrem ao redor da tribo, pois por lei os problemas de dentro da comunidade são de responsabilidade da Fundação Nacional de Saúde (Funasa). Mesmo assim ele aceitou caminhar por toda à aldeia e conhecer de perto a realidade dos moradores indígenas.

A maioria dos reparos de responsabilidade da Sabesp foi executado logo na semana seguinte, porém ainda ficou  pendente o concerto de um vazamento que ocorre ao redor da tribo.

 Apesar da melhoria alcançada, o ITB continua em contato com a Funasa para que todos os problemas voltados ao saneamento básico sejam resolvidos e a qualidade de vida dos habitantes da aldeia melhore cada vez mais.

Pastoral da Criança

Equipe do Trata Brasil junto com a Pastoral da Criança em visita a comunidade indígena

 A iniciativa de conhecer a aldeia surgiu após um encontro entre o presidente do Instituto Trata Brasil, Édison Carlos,Dom Milton Kenan, Bispo Auxiliar de São Paulo, e Maria do Rosário, coordenadora da Pastoral da Criança na cidade de São Paulo.

A Pastoral da Criança visita há quatro anos às famílias da aldeia, prestando serviço com a pesagem das crianças e auxiliando nas principais necessidades da tribo indígena. Porém, o contato direto dos moradores com o esgoto e o aumento de doenças, principalmente nas crianças, chamou atenção da Pastoral da Criança que entrou em contato com o Trata Brasil e sugeriu a realização de um trabalho conjunto de conscientização dos moradores.

Anúncios